INTERVENÇÃO DE S. E. O PRESIDENTE FRANCISCO GUTERRES LÚ OLO NA ABERTURA DO SEMINÁRIO PROMOVIDO PELA REDE FETO COM O TEMA “FETO NIA VOTU DETERMINA FUTURO NASAUN”

by Mídia PR Posted on

Dili, 26 de Março de 2018

Senhora Secretária de Estado Laura Menezes Lopes
Senhora Presidente da Administração da Rede Feto Judite Dias Ximenes
Senhora Diretora Executiva da Rede Feto Sabina Fernandes Seac

Cumprimento calorosamente vossas excelências e saúdo as dirigentes e ativistas das organizações de mulheres, aqui e em todos os municípios.

O trabalho das organizações de mulheres em todo o país constitui um contributo muito importante para o desenvolvimento social em Timor-Leste.

Saúdo a parceria entre as organizações de mulheres e o governo, através da Secretaria de Estado para a Igualdade de Género e a Inclusão Social.

A abertura do Estado a iniciativas da sociedade civil é uma condição fundamental para promover o papel social das mulheres na sociedade.

A participação ativa das mulheres e das organizações de mulheres é indispensável para valorizar o papel das mulheres para a construção nacional, diariamente, a todos os níveis: não apenas na política, mas em geral na sociedade, na vida familiar, nas cidades e nas aldeias, nos campos e nas lezírias desta terra amada.

Cumprimento o trabalho continuado da Rede Feto e de todas as organizações de mulheres, cuja atividade aprecio e acompanho há muito tempo, como cidadão empenhado na promoção social da mulher timorense, ainda antes de ser Presidente da República.

Agradeço o convite que a Rede Feto e a srª Secretária de Estado me dirigiram para estar hoje aqui convosco e assinalar a abertura deste seminário sobre a importância do voto das mulheres no moldar do futuro do nosso país.

As mulheres constituem metade dos cidadãos de Timor-Leste.
Naturalmente, a contribuição ativa das mulheres é determinante para a qualidade da nossa democracia.
Mas as vantagens que o país obtém com a participação das mulhres não é só uma questão do número de mulheres na sociedade. É muito mais do que isso.

A Constituição da RDTL estabelece o princípio da igualdade de direitos de todos os cidadãos, incluindo a igualdade de direitos entre homens e mulheres.
Mas, na nossa sociedade as mulheres ainda não têm a mesma oportunidade de exercerem os seus direitos. Por isso, valorizar o ação das mulheres e promover a sua participação na construção nacional é também promover a aplicação da Constituição.

As responsabilidades maiores quanto à educação e à saúde das crianças, por exemplo, continuam a cair nos ombros das mulheres – porque, como sabemos, as tarefas familiares não são partilhadas por igual, entre mulheres e homens.

A maioria das mulheres da nossa terra, cerca de 70 por cento, vivem nas aldeias de Timor-Leste e trabalham nos nossos campos e lezírias.

O trabalho destas irmãs é determinante para a economia das suas famílias. Mas as mulheres das áreas rurais não têm ainda igualdade de condições nem de participação no desenvolvimento das prioridades nacionais.

O acesso à água limpa é uma condição essencial ao desenvolvimento sustentável.
A qualidade da água e a qualidade do saneamento público têm impacto direto na saúde da comunidade, incluindo na redução da taxa de mortalidade das crianças.

No dia a dia dos nossos sucos e aldeias e, quem é que vai buscar a água?

Quem é que tem de o fazer várias vezes por dia?

Restaurámos a Independência há 15 anos. E quando viajo nos municípios continuo a ver as mulheres e crianças, especialmente raparigas, a percorrerem longas distâncias, carregando água para suas casas.

Após 15 anos de exercício da independência, continuo a ver, milhares e milhares de famílias a viverem em habitações sem condições básicas mínimas.

Esta situação afeta os homens e as mulheres. Mas é o trabalho das mulheres em casa, que mais sofre a falta de condições básicas das habitações das famílias da nossa terra.

As mulheres timorenses continuam também a ter a responsabilidade maior na alimentação das crianças e na educação para a saúde, no seio das suas famílias.

O acesso à informação e a participação das mulheres na implementação das políticas de habitação, de água e de saneamento, de saúde pública e educação, são prioridades fundamentais do nosso desenvolvimento.

A participação com brio das cidadãs timorenses na vida política do país é a realização de um direito constitucional de todos os cidadãos – o que muito me anima e me satizfaz.

Mas apelo a todos, incluindo os departamentos do Estado, para não esquecerem que a participação política é um direito que deve abrir as portas ao exercício de outros direitos: direito à educação, à saúde, à água limpa, à habitação.

Estes direitos também estão consagrados na Constituição da RDTL, mas ainda não estão realizados.
O Estado tem de dar a máxima prioridade à realização destes direitos dos cidadãos e as mulheres têm de participar e contribuirem também para realizar esses direitos.

A integração plena das filhas de Timor-Leste no processo de desenvolvimento é uma necessidade estratégica, para alcançarmos objetivos de desenvolvimento sustentável que estabelecemos – incluindo a diversificação da economia nacional, a qual dependerá sempre da melhoria da economia familiar nas áreas rurais.

Assim, quando nos preparamos para votar e eleger, de novo, representantes de todo o país ao Parlamento Nacional temos de nos lembrar que a nossa democracia – o nosso processo político – tem de se tornar um instrumento para unidos trabalharmos rapidamente para melhorar a situação do país e alcançar condições de vida mais dignas para todos os timoreses.

Irmãs e irmãos, Povo amado de Timor-Leste.
Os objetivos que menciono são totalmente realizáveis, estão ao nosso alcance se mantivermos a paz e a unidade na nossa sociedade.

Para realizarmos estes objetivos temos de trabalhar em conjunto, homens e mulheres. E temos de aprender a dar o valor justo à importância das mulheres para o desenvolvimento da sociedade e da economia, na Administração Pública, no setor privado empresarial e nas áreas rurais, nas aldeias, campos e lezírias, onde vive e trabalha a maior parte do nosso povo.

Tenho confiança em que este irá contribuir, como as organizadoras se propõem, para a formação dos ativistas e dirigentes das organizações de mulheres da Rede Feto e outras aqui presentes.

Tomo esta ocasião para saudar a presença nesta iniciativa da Comissão Nacional de Eleições, através do seu presidente senhor Alcino Baris, e do Secretriado Técnico de Administração Eleitoral, através do seu Diretor senhor Acilino Branco, e as oradoras e moderadoras do debate que vão realizar. Esta cooperação é produtiva e no interesse do conjunto do país.

Faço votos de que este encontro seja oportunidade de aprofundarmos o esclarecimento e o debate seja produtivo para o trabalho futuro da Rede Feto e das organizações de mulheres – nas próximas semanas, e nos próximos anos.

As organizações de mulheres podem contar com o apoio do Presidente da República à vossa ação para promover a participação das mulheres, incluindo nas eleições antecipadas de 12 de Maio, e para além das eleições.

As mulheres timorenses podem contar com o apoio do Presidente da República à sua expectativa de alcançarem igualdade de oportunidades na construção do bem estar do país e das suas famílias, individualmente: oportunidades de acesso, de participação e de promoção, a todos os níveis de responsabilidade, e oportunidades de contribuírem, mais, para a construção de um país seguro, próspero, onde a dignidade das mulheres seja garantida e respeitada.

As eleições de 12 de maio próximo são importantes para este objetivo. Mas as eleições devem ser um passo entre outros passos na construção de uma sociedade inclusiva, livre e com mais bem-estar para todos, mulheres e homens, igualmente.

Por isso, mulheres e homens timorenses, juntos podemos desenvolver o nosso país e garantir um futuro melhor para os nossos filhos.

Como é o motto deste seminário – o voto das mulheres é determinante no futuro da nação.

A participação da mulher tem de ser determinante também, na realização das prioridades nacionais. Esta, sim, a verdadeira essência da nossa democracia.

Vivam as filhas de Timor-Leste. Viva a Organização Rede Feto Timor.
Viva o povo timorense. Viva Timor-Leste.
Os meus votos de melhores sucessos!