Bobonaro, 8 fevereiro, 2017 – S.E. o Presidente da República, Taur Matan Ruak, realizou na terça-feira de manhã um diálogo com a comunidade do suco de Male-Ubu. Da parte da tarde esteve reunido com a população do suco de Tebabui. Os dois sucos pertencem ao posto administrativo de Bobonaro, município de Bobonaro.

Aquando do seu discurso de abertura, o Chefe de Estado explicou os objetivos das suas visitas aos sucos do país, nomeadamente agradecer o contributo das comunidades para a luta de libertação e pedir para que, em tempos de independência, continuem a contribuir com vista ao bem-estar. S.E. o Presidente aproveitou ainda a ocasião para falar sobre os progressos e desafios de Timor-Leste e apelar à melhoria da economia familiar, da saúde e da educação (reduzindo os gastos com acontecimentos da vida e da morte), e salientou a importância trabalho em conjunto com as autoridades locais com vista ao desenvolvimento do suco.

O Chefe de Estado destacou ainda os progressos conseguidos por outros sucos, os quais devem servir de exemplo e de inspiração para os demais.

Já na sessão de perguntas e respostas em Teba-Bui, um dos presentes manifestou a sua preocupação relativamente ao ensino da língua materna nas escolas que, na sua opinião, gera confusão entre os estudantes. Relativamente a esta questão, S.E. o Presidente partilhou a sua opinião:

Sou contra o ensino da língua materna nas escolas. Esta iniciativa contou com o apoio da ex-Primeira-Dama Kirsty Gusmão. No entanto, os filhos do maun Xanana frequentam a escola na Austrália e os meus frequentam a Escola Portuguesa. Daqui a alguns anos, os meus filhos e os do maun Xanana vão ter emprego e os vossos não. Os filhos dos nossos ministros também não aprendem a língua materna, porque frequentam a Escola Internacional. Isto é só para empatar o futuro das novas gerações.”

O Chefe de Estado adiantou ainda que os alunos devem começar por aprender as línguas oficiais e que os professores devem participar em formações que promovam a aprendizagem do português.

Em relação às negociações em torno da fronteira marítima com a Austrália, S.E. Taur Matan Ruak usou as disputas entre vizinhos em torno de terras para demonstrar o grau de dificuldade do processo de resolução de disputas por fronteiras. Sua Excelência adiantou ainda que este é um processo moroso e requer calma e o respeito pela lei internacional.

Já em Tebabui, para fazer face à escassez de alimentos naquele suco devido às mudanças climáticas, o Chefe de Estado sugeriu aos chefes de aldeia e ao chefe de suco que solicitassem apoio junto do governo. Além desta questão, os presentes lamentaram a falta de acesso à eletricidade.

Em ambos os sucos foram apresentados como principais desafios locais as más condições das estradas, o registo dos veteranos em função das opções partidárias, e a falta de oportunidades de emprego para os jovens, entre outros.

Acompanharam o Chefe de Estado nas sessões de diálogo o administrador de Laulara (município de Aileu), o chefe de suco de Abafala (município de Baucau), o chefe de suco de Matahoi (município de Viqueque) e o chefe de suco de Kampung Alor (município de Díli).