INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PREZIDENTENTE REPÚBLIKA, DR FRANCISCO GUTERRES LÚ OLO POR OCASIÃO DA COMEMORAÇÃO DO ANZAC DAY

by Mídia PR Posted on

Jardim de Cristo Rei, 25 de Abril de 2019

Permitam-me que comece com um verso de um poeta, descendente de um valoroso marinheiro, que ao visitar Gallipoli, em 2015, sensível à beleza do local perguntou, “Vês a beleza rústica do mês de abril no Cabo Helles?” “Pensas isto como paraíso ou como lugar para morrer?”.

Apesar de tanta beleza, este local tornou-se num ciméterio para milhares de vidas, ceifadas nos seus verdes anos.

Associam-se a estas mortes a coragem e a capacidade de se sacrificar por um ideal.

Mais uma vez nos reunimos ao nascer do sol, para honrar aqueles valorosos combatentes que deram as suas vidas no remoto ano de 1915, em Gallipoli. Em menos de um ano, mais de cem mil (100,000) pessoas perderam as suas vidas, naquilo que ficou conhecido como a campanha de Gallipoli.

Tive o privilégio de participar em 2016 e em 2017, como veterano, na Austrália e ficou gravada na minha memória a imagem de um povo inteiro que honra os seus combatentes que tombaram em nome de valores que partilhamos: a liberdade e a dignidade.

Aquele espirito, aquele sentido do corpo, permanece até hoje porque os seus fundamentos são princípios e valores tão gratos a todos nós.

Há vinte (20) anos, em 1999, nós próprios, Timorenses pudemos sentir a força daquele espritio do corpo. Soldados das Forças de Defesa da Austrália e da Nova Zelândia, imbuídos do esprito ANZAC, chegaram ao nosso país, em 20 de Setembro de 1999, no âmbito da missão da INTERFET para ajudar-nos a construír a paz e a estabilidade.

Ao lado das celebrações do dia 30 de Agosto- data do referemdum, o nosso Estado empenha-se em celebrar também os 20 anos da chegada da INTERFET. Em ambas as celebrações, empenhamo-nos na dignidade que os atos merecem.

Não posso deixar de recordar a Segunda Guerra Mundial, do empenhamento do meu pai, do sangue derramado pelos meus compatriotas e da partilha de sacríficio e do sofrimento, com militares Australianos, uma autêntica expressão de solidariedade, que mais uma vez queremos HONRAR!

O sofrimento e o sacríficio consentidos por estas mulheres e por estes homens não foram em vão. Responder à nobreza do seu gesto é um desafio para todos nós. E este desafio chama-se, consolidar a PAZ!

VIVA O ESPIRITO ANZAC!